Como ultrapassar o transtorno obsessivo compulsivo (TOC)

Sofre de transtorno obsessivo-compulsivo? Convive com alguém que sofra deste mal? Conhece algum amigo? Não ignore mais! Consiga ser feliz e estável!

Apesar de ser uma situação grave, o transtorno obsessivo-compulsivo não quer dizer, obrigatoriamente, que não possa ser feliz e fazer os seus também!

 

O que é o Transtorno Obsessivo Compulsivo, ou TOC?

O transtorno obsessivo compulsivo é um problema relacionado com a ansiedade, onde são despoletados pensamentos constantes sobre as mesmas coisas e a realização de “rituais” para acalmar. São actos estranhos para as outras pessoas e muitas das vezes até para o próprio doente.

Na maioria dos casos esses pensamentos manifestam-se mais nas áreas de uma elevada preocupação com a saúde, com a limpeza/higiene e com a organização dos objectos.

 

Como reagir perante a doença

Em primeiro lugar mentalize-se de que não é um problema sem solução. Aceite! A aceitação é o passo fundamental. Não vai conseguir combater algo que não assume que tem. Não seja preconceituoso. Só vai atrasar mais a realização da sua estabilidade. O facto de ter um problema psicológico não quer dizer que seja maluco!

 

O que fazer?

Se acha que sofre de TOC ,não hesite em consultar rapidamente um psiquiatra. Não dê importância a quem pensa que essa especialidade é médico de doidos. Tal não é mesmo verdade e a sua saúde e bem-estar devem ser a sua prioridade.

Se não conhecer nenhum psiquiatra da sua confiança, pergunte aos seus familiares e/ou amigos se lhe podem dar indicação de algum da sua confiança. Se não conseguir desta forma ou não quiser, pode sempre optar por falar directamente com o seu médico de família. Ele conhece-o melhor que ninguém e está completamente por dentro das suas necessidades e tem todos os conhecimentos sobre qual médico lhe aconselhar.

Verá que depois da primeira consulta se sentirá logo outra pessoa. O facto de nos compreenderem é muito importante. Ele irá explicar-lhe mais a fundo o que é a doença e como se manifesta. Assim, com mais conhecimento, será mais fácil, para si, controlar-se futuramente.

Confie no seu médico, ele sabe o que faz.

Se ficar muito ansioso antes da sua consulta, anote numa folha todas as suas preocupações e dúvidas e leva-a consigo. Aproveite ao máximo a consulta!

 

transtorno-obsessivo-compulsivo-toc

 

Tratamento

Pode vir a ser acompanhado psicologicamente, como terapia. O número de sessões irão variar consoante a sua recuperação. Dependendo do avanço do seu problema o médico poderá passar-lhe a receita de calmantes e antidepressivos. Mais uma vez não seja preconceituoso e pense no seu bem-estar.

Os medicamentos devem ser tomados nas dosagens e número de vezes prescritos. O efeito destes poderá demorar uns dias. Seja paciente e verá resultados! Ao sentir-se melhor não abandone a sua toma. Muito menos repentinamente, sem fazer o desmame, pois poderá ter reacções físicas pela falta destes.

Se achar que quer reduzir os seus medicamentos, marque antes uma consulta com o seu psiquiatra para lhe expor essa sua vontade e ouvir a opinião deste.

Não tenha vergonha de lhe confessar nada. Existe o sigilo que impede o médico de dizer a alguém o que se passa consigo e ele também compreende bem o que sente pois sabe do seu estado de saúde e não o vai criticar nem julgar por seus pensamentos e vontades.

Se não se sentir confortável com alguma das indicações do médico diga-lhe! Ele com certeza irá encontrar outra solução ou então far-lhe-á ver que o que indicou não é tão terrível como está a pensar.

 

Outros artigos que deverá ler

Como tratar a ansiedade e o nervosismo sem recorrer a medicamentos?
Aprenda a sentir-se melhor no seu local de trabalho
10 dicas de como sentir-se melhor em sua casa
Como organizar a sua vida com o programa dos 5S
Aprenda a dominar e a evitar o stress

 

O tempo é o melhor remédio

O facto de não melhorar repentinamente não indica uma falha do profissionalismo de quem o trata nem das suas capacidades de recuperação. O tratamento é uma coisa evolutiva. Não o abandone por achar que não está a melhorar. Tenha calma. Pense no tempo que já esperou antes de o iniciar. Não desista agora!

O seu problema pode não ter cura definitiva mas isso não quer dizer que não possa estar controlado e sentir-se normal para o resto da sua vida. São situações em que as pessoas conseguem viver perfeitamente até com qualidade de vida. Tem as suas restrições e cuidados, mas como tudo na vida tem.

Com força de vontade e orientação médica conseguirá viver em plenas condições ditas normais.

 

Complementos

Para além da medicação pode também complementar o seu tratamento com sessões de acupuntura, reiki, yoga, meditação… Coisas que façam reduzir a sua ansiedade e algumas técnicas até ensinam autocontrolo. Encontrará imensas soluções dentro do seu gosto, vontade e disponibilidade.

 

Divirta-se

Arranje um passatempo. É importante começar a canalizar a sua atenção para outras coisas, principalmente se forem positivas.

Adopte um animal. O tempo que passará a cuidar dele não permitirá que o seu pensamento divague para coisas que lhe possam aumentar a sua ansiedade e consequentemente os seus sintomas de TOC. Faça aquele curso que sempre sonhou fazer! Saia com os seus amigos.

Faça exercício-físico! Além de estar a dar mais saúde ao seu corpo, fará com que este se recupere mais rapidamente. Se o fizer num ginásio, aproveite para fazer novas amizades, ao mesmo tempo que se distrai e convive menos com o seu problema.

E não precisa de gastar muito dinheiro para se distrair. Veja filmes, leia. Passeie ao ar livre. Veja pessoas, conheça os seus vizinhos. Veja montras. Cozinhe e surpreenda os seus familiares e amigos. Em vez de comprar prendas faça-as, poupando dinheiro e mantendo a sua cabeça ocupada, além de que vai oferecer um presente único e pessoal.

 

O importante é mesmo aceitar o que se passa consigo, não se julgar, seguir atentamente os conselhos do seu médico e focar a sua felicidade como o ponto principal da sua vida! Seja feliz! 🙂



Gostou? Partilhe...

Deixe aqui o seu comentário...

Apenas o nome e email são de
preenchimento obrigatório e não serão revelados.

Comentários ofensivos ou de conteúdo não enquadrado
com o artigo/site não serão aprovados.